Crítica especializada fala sobre o novo álbum da Avril Lavigne

Álbum novo e muitos dando o seu “pitaco”.

Sim, estamos falando da canadense, Avril Lavigne. O novo projeto da cantora, chega pós um enorme hiato na carreira. Foram 5 anos até a chegada do disco “Head Above Water”. 

Como de costume, os mais variados sites especializados estão opinando sobre o que ela entregou para os fãs. No Metacritic, que faz uma média de várias críticas, o álbum está com 59 pontos, uma nota considerada baixa para o que os fãs estavam esperando. A verdade é que, enquanto alguns sites como o All Music e o NME entenderam o conceito e fizeram elogios, importantes veículos como a Rolling Stone e o The Guardian, por exemplo, pesaram com comentários negativos, não impressionados com as novas músicas. 

Confira com a gente, o que a crítica especializada, fala sobre o novo álbum da Avril Lavigne:

AllMusic
Embora o álbum seja pesado com baladas adequadas para rádios adultas, Lavigne felizmente o amacia com momentos de leveza: ‘Tell Me It’s Over’ balança com ecos de uma dança lenta dos anos 50, ‘Crush’é tão leve que flutua na estratosfera e ‘Bigger Wow’ lembra algo da Vanessa Carlton. Tais momentos fornecem um contraste necessário para os hinos motivacionais, ao mesmo tempo em que se conectam às raízes mais pop de Lavigne, um movimento que faz com que a maturidade do álbum em geral seja conquistada.

Clash Music
No geral, “Head Above Water” é uma coleção de faixas ecléticas e bem feitas, o que pode ser um elemento de surpresa que mantém os ouvidos atentos em antecipação. Aqui, no entanto, faz com que inconsistências sonoras deixem você insatisfeito, querendo coisas maiores e melhores que Avril é, definitivamente, capaz de fazer.

New Musical Express (NME)
“Head Above Water” não é o álbum mais vibrante, mas é um projeto profundamente honesto que combina com esse crescimento elegante. Em 2013, isso não parecia algo que Lavigne faria.

Exclaim
Ouvindo o álbum, você não tem a impressão de que ela tinha como objetivo criar um novo estilo musical. Como o “Rainbow”, de Kesha, é mais uma chance para Lavigne recuperar sua narrativa em um espaço que se adapte à pessoa que ela é hoje, não a quem os fãs da fada do pop/rock gostariam que ela fosse. A diversão e malcriação de Lavigne faz falta – mesmo em um tempo de artistas femininas e sinceras, sem enfeites. Sinceridade combina com Lavigne.

Rolling Stone
A Lavigne ouvida no começo do disco é quase uma pessoa completamente diferente até o final; a parte difícil é descobrir de qual parte você gosta mais. Mais ou menos na metade, ela soa como se tivesse colocado um antidepressivo a caminho do estúdio. […] Você odeia dizer a alguém para se manter raivosa, mas a turbulência realmente combina com ela.

The Guardian
O problema de um álbum que apresenta um pop à la Taylor Swift (Souvenir, Goddess, Bigger Wow), ao mesmo tempo de um retro-soul pós-Amy Winehouse (Tell Me It’s Over) não é que as músicas são ruins, ou que Lavigne não consegue mudar de estilo. É mais que ela não se impõe a isso, as músicas poderiam ser de qualquer um.

Ouça o novo disco da Avril Lavigne:

Comentários

VIDEOCLIPES EM DESTAQUE

BAÚ DO DROPS

DROPS MUSIC NO FACEBOOK

SIGA O DROPS NO SPOTIFY!

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

AS MAIS LIDAS DO DROPS